CMVM
skip
Idioma
pageBackground
Estatísticas

Estatísticas periódicas


Indicadores mensais de receção de ordens

Junho de 2019

 

Em junho de 2019, o valor das ordens sobre instrumentos financeiros recebidas pelos intermediários financeiros registados na CMVM totalizou 9.535,2 milhões de euros, mais 45,2% do que em maio. Desde o início do ano, este indicador desceu 4,4% face a igual período do ano passado. 

O valor mensal dos instrumentos financeiros de dívida pública e de dívida privada cresceu, respetivamente, 69% para 6.978,6 milhões de euros e 49% para 1.398,7 milhões. Nas ordens relativas a ações, o valor diminuiu 21% para 773,8 milhões de euros.

O BCP teve a maior quota de mercado nas transações sobre ações (15,0%), seguindo-se o Banco BPI (13,4%) e o BIG (8,9%). Na dívida (pública e privada), a maior quota pertenceu ao BNP Paribas (62,2%), seguindo-se o Banco LJ Carregosa (17,8%) e o Novo Banco (9,6%).

O valor das ordens sobre instrumentos financeiros derivados cresceu 117,9% face ao mês anterior, para 34.088,8 milhões de euros, enquanto o número de contratos negociados aumentou 47,4%.

Nos CFDs, o valor das transações cresceu 10,1%, representando 16,8% do total, enquanto nos futuros as transações aumentaram 266,5% face a maio.

No mesmo período, o valor das ordens de residentes registou uma descida mensal de 8,4%, tendo o valor das ordens de não residentes aumentado 79,0%.

Quanto ao mercado de execução, 16,9% das ordens recebidas foram executadas fora de mercado, 43,7% nos mercados internacionais, 6,4% nos mercados regulamentados nacionais e 33,1% foram internalizadas.

Estados Unidos, Espanha e França foram os três principais destinos das ordens executadas sobre ações fora de Portugal, enquanto França, Reino Unido e Itália foram o principal destino das ordens sobre títulos de dívida.