CMVM
skip
Idioma
pageBackground
Estatísticas

Estatísticas periódicas


Indicadores mensais dos fundos de investimento mobiliário

Novembro de 2019

Em novembro de 2019, o valor sob gestão dos organismos de investimento coletivo em valores mobiliários (OICVM) totalizou 12.270,1 milhões de euros, mais 249,5 milhões (2,1%) do que em outubro. Nos organismos de investimento alternativo (OIA), o valor mensal sob gestão decresceu 1,5% para 371,4 milhões de euros.

O valor das aplicações em ações de emitentes nacionais desceu 1,2% em relação ao mês anterior e subiu 4,9% nas de emitentes estrangeiros . No que respeita à dívida pública, o valor das aplicações caiu 15,4% na nacional, tendo aumentado 3,4% na estrangeira. O valor aplicado em obrigações subiu 6,4% nas de emitentes nacionais e 2,2% nas de estrangeiros.

A Navigator foi o título com maior peso nas carteiras dos fundos, representando 9,1% do total investido, com uma subida mensal de 3,4%. Seguiram-se o BCP, cujo valor nas carteiras dos fundos recuou 2,0%, e a EDP, cujo valor aumentou 1,0% face a outubro.

No que respeita ao investimento em títulos da União Europeia, os mais representativos nas carteiras dos fundos de investimento foram a LVMH , a Inditex e a Siemens. Fora da União Europeia destacaram-se a Apple, a Microsoft e a Visa.

A Alemanha foi o principal destino de investimento dos OICVM em novembro, ao absorver 16,0% do total das aplicações dos fundos, seguida dos Estados Unidos (13,2%) e do Luxemburgo (12,1%). Portugal absorveu 6,9% do investimento.

As sociedades gestoras com as maiores quotas de mercado foram a Caixa Gestão de Ativos (34,0%), a BPI Gestão de Activos (20,3%) e a Santander Asset Management (18,1%).

Em novembro foi constituído o fundo de investimento de ações de poupança reforma “BPI Reforma Global Equities PPR/OICVM”, gerido pela BPI Gestão de Activos. No mesmo mês foram também liquidados dois fundos de investimento alternativo em valores mobiliários, geridos pela Caixa Gestão de Ativos, o “Caixagest Estratégias Alternativas” e o “Caixagest Matérias Primas”.