CMVM
skip
Idioma
pageBackground
Comunicados

CMVM publica Relatório sobre os Mercados de Valores Mobiliários - 2021


​4 de julho de 2022

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários publicou hoje o "Relatório sobre os Mercados de Valores Mobiliários" relativo a 2021, que analisa a evolução dos principais mercados e instrumentos financeiros.

A retoma da atividade económica global - materializada num crescimento económico real do PIB de 6,1%, a melhoria dos resultados das empresas cotadas e a política monetária acomodatícia por parte dos bancos centrais marcaram o ano de 2021 e sustentaram a valorização observada nos mercados acionistas e a redução da volatilidade na primeira metade do ano.

No último trimestre de 2021, o nível de incerteza voltou a aumentar, em parte devido à subida dos preços das matérias-primas e da energia nos mercados internacionais. O crescimento das expetativas inflacionistas contribuiu para o aumento das taxas de juro de longo prazo nas principais economias.

No plano nacional o índice PSI-20 subiu 18,1% seguindo a tendência de valorização registada a nível internacional, ano em que o índice MSCI World valorizou 22,4%. Os lucros das empresas que integram o principal índice da bolsa portuguesa subiram 49,9% face a 2020, impulsionados pelo aumento das margens de lucro e das receitas, embora a rentabilidade dos capitais próprios tenha permanecido abaixo do período pré-pandemia (2019).

O mercado regulamentado Euronext Lisbon registou um crescimento dos montantes transacionados, justificado pelo aumento de 1,3% do segmento acionista, contra uma quebra significativa nos valores transacionados sobre obrigações, índices cotados (ETF) e unidades de participação, que caíram respetivamente -21,0%, -84,3% e -71,8%.

No mercado de dívida assistiu-se a um aumento das yields soberanas, uma trajetória justificada fundamentalmente pela subida das taxas de juro isentas de risco. Os valores transacionados de dívida pública emitida pela República Portuguesa na plataforma MTS Portugal cresceram 69,5% face ao período homólogo, o que corresponde a um aumento de 40,1% nas obrigações do Tesouro e de 110,2% nos bilhetes do Tesouro.

O valor da gestão de ativos nacional recuou 7,8% face a 2020 para 68,6 mil milhões de euros, devido ao decréscimo de 23% na gestão individual de carteiras em resultado da perda de mandatos de gestão outrora conferidos por investidores profissionais às entidades gestoras. Por seu lado, os fundos de investimento mobiliário continuaram a ganhar relevância, com o montante sob gestão a aumentar 35,9% face a 2020 para 19,5 mil milhões de euros, o que representa o valor sob gestão mais elevado desde 2008. Ainda assim, os fundos mobiliários nacionais perderam quota de mercado relativamente aos OICVM estrangeiros.

O valor sob gestão de fundos de investimento imobiliário aumentou 2,3% em 2021, totalizando 11,1 mil milhões de euros. No final do ano existiam 198 fundos (menos três do que em 2020) e 37 entidades gestoras em atividade (mais quatro do que em 2020). O número de participantes nos fundos de investimento imobiliário aumentou 8,8% face ao ano anterior, com a maioria dos participantes (98,9%) a deter uma participação não superior a 0,5% da carteira do fundo em que investem.


Informação Adicional: