CMVM
skip
Idioma
pageBackground
Comunicados

Autoridades reguladoras lançam 4ª. edição do Portugal FinLab


​18 de maio de 2022

Estão abertas as candidaturas à 4.ª edição do Portugal FinLab, a iniciativa que visa aproximar os inovadores do setor financeiro – start-ups ou instituições incumbentes – das respetivas autoridades reguladoras.

As autoridades reguladoras lançaram ontem a 4.ª edição do Portugal FinLab no evento Closing the 3rd Edition and launching the 4th, realizado na Fintech House.

Este evento contou com a presença de representantes das três autoridades reguladoras do setor financeiro – Banco de Portugal, Comissão do Mercado de Valores Mobiliários e Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões – e de entidades fintech convidadas.

As candidaturas à 4.ª edição do Portugal FinLab estarão abertas entre 17 de maio e 17 de junho de 2022.

Para o pitch day, que ocorrerá em 14 de julho de 2022, serão selecionados todos os projetos que se enquadrem nas competências de, pelo menos, uma das autoridades reguladoras.

Após o pitch day, as autoridades reguladoras selecionarão até cinco projetos para análise. Esta análise, no formato de um relatório, identificará os principais requisitos regulatórios aplicáveis e os eventuais obstáculos à implementação do projeto selecionado.

Para mais informações sobre o Portugal FinLab e o processo de candidatura, visite o site oficial da iniciativa em www.portugalfinlab.org.

 

Relatório da 3.ª edição foi divulgado

As autoridades reguladoras apresentaram também o relatório de balanço da 3.ª edição, publicado ontem no site do Portugal FinLab.

A 3.ª edição do Portugal FinLab contou com 29 candidaturas, cinco das quais de entidades estrangeiras. No conjunto das duas fases, foram selecionados para análise nove projetos, que, na sua maioria, compreendiam mais do que um setor de atividade, beneficiando assim da análise de mais do que uma autoridade reguladora.

O relatório apresenta também as opiniões dos participantes sobre a 3.ª edição do Portugal FinLab, as visões das Autoridades sobre os impactos da inovação nas suas áreas de competência, bem como as perspetivas da Academia sobre stablecoins, outros cripto-ativos e moedas digitais de banco central.