CMVM
skip
Idioma
pageBackground
Comunicados

CMVM publica Relatório sobre a atividade de capital de risco em 2020


14 de setembro de 2021

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários publicou hoje o "Relatório sobre a atividade de capital de risco" relativo a 2020, que revela que, apesar da grave perturbação e elevada incerteza provocados pela pandemia de Covid-19, o investimento em capital de risco em Portugal apresentou uma recuperação significativa do decréscimo observado na primeira metade do ano.

No final de 2020, os ativos sob gestão do setor de capital de risco nacional situavam-se em 5,6 mil milhões de euros, o que representa um crescimento de 9,8% face a 2019. Um total de 56 sociedades e 166 fundos de capital de risco operavam no mercado português, tendo o montante médio de ativos sob gestão por fundo sido de 32,3 milhões de euros, menos 3,2 milhões de euros do que no período homólogo.

O setor de capital de risco reforçou o investimento afeto a depósitos e outros meios líquidos, outros ativos e, em menor grau, em participações sociais, enquanto o investimento via empréstimos e suprimentos diminuiu. Observou-se um aumento do valor em depósitos e outros meios líquidos, para mil milhões de euros. O valor das "participações sociais" aumentou 5,6% no ano, o que resultou, por um lado, de um aumento do valor investido em empresas não residentes e, por outro lado, de uma diminuição no investimento em empresas residentes.  

No que diz respeito aos setores de atividade do investimento destacam-se as atividades de informação e comunicação, as imobiliárias e indústria transformadora, representando cerca de 40% da carteira de investimentos.

O apoio às empresas em fase de expansão aumentou 8,2% para 857,2 milhões de euros de valor investido pelo capital de risco no final de 2020. O investimento em venture capital também apresentou uma ligeira subida face ao ano anterior, para 665,7 milhões de euros (+0,3%). Já a relevância das empresas que pretendem reorientar a sua estratégia (turnaround) diminuiu 16,2% para 837,0 milhões de euros.

Das 1207 transações que ocorreram em 2020, 69,7% corresponderam a aquisições no total de 608,6 milhões de euros, enquanto as alienações atingiram 369,3 milhões de euros, traduzindo-se num investimento líquido de 239,3 milhões de euros (desinvestimento líquido de 200,9 milhões de euros em 2019).


Informação Adicional: