CMVM
skip
Idioma
pageBackground
Comunicados

CNSF divulga resultados do 3.º Inquérito à Literacia Financeira da População Portuguesa


30 de junho de 2021

O Conselho Nacional de Supervisores Financeiros (CNSF) divulga hoje os resultados do 3.º Inquérito à Literacia Financeira da População Portuguesa, conduzido em 2020 (antes da pandemia de Covid-19) no âmbito do Plano Nacional de Formação Financeira. Esta iniciativa enquadra-se no exercício de comparação internacional dos níveis de literacia financeira dinamizado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), através da International Network on Financial Education (INFE).

Na comparação internacional de 2020, Portugal ficou em 7.º lugar no indicador global de literacia financeira, entre os 26 países participantes, registando resultados acima da média neste indicador global e nos indicadores de atitudes e comportamentos financeiros. Nos indicadores de resiliência financeira os resultados também foram particularmente positivos, tendo em conta, que num período prévio à pandemia, os portugueses evidenciaram uma capacidade acima da média para enfrentar choques financeiros, previsíveis (e.g. reforma) ou imprevisíveis (e.g. desemprego).

Os resultados positivos de Portugal nestes indicadores assentam nos hábitos adequados de planeamento do orçamento familiar e da poupança evidenciados pelos entrevistados, destacando-se os seguintes:

  • a maioria dos entrevistados (80,8%) demonstra preocupação com o planeamento e controlo do orçamento familiar. 65% referem ter poupado no último ano (68,3% em 2015);
  • cerca de 61% dos entrevistados afirmam ter capacidade de pagar uma despesa inesperada de montante equivalente ao seu rendimento mensal sem ter de pedir dinheiro emprestado ou a ajuda de familiares ou amigos. Cerca de 62% referem ter rendimento suficiente para cobrir o seu custo de vida (proporções semelhantes às de 2015);
  • há pouca tendência para a realização de compras por impulso e para comportamentos associados a situações de incumprimento (a proporção de entrevistados que não pagou as suas contas ou pagou fora de tempo diminuiu de 10,9% em 2015, para 4,3%, em 2020);
  • cerca de um quarto dos entrevistados afirma que, se perdesse a principal fonte de rendimento, conseguiria pagar as suas despesas por um período igual ou superior a 6 meses (13,7% em 2015).

A proatividade na aplicação de poupança aumentou em relação a 2015. Cerca de um terço dos entrevistados continua a referir que aplicou dinheiro em depósitos a prazo e aumentou a proporção dos entrevistados que investem em ações, obrigações ou fundos de investimento (9,4% em 2020 e 3,9% em 2015). Alguns entrevistados referem ainda o investimento em criptoativos ou em ofertas de distribuição inicial de criptoativos (Initial Coin Offerings ou ICOs).

Também subiu a proporção de entrevistados que demonstra confiança no planeamento da reforma (43,9% em 2020 e 36,9% em 2015), bem como dos que referem que irão financiar a sua reforma através de um plano de poupança privado ou de um fundo de pensões constituído pela empresa onde trabalham.

As fontes mais utilizadas para obter informação sobre produtos financeiros continuam a ser os conselhos dados ao balcão da instituição e de familiares ou amigos. É de destacar o crescente recurso à internet, que é referida por cerca de um quarto dos entrevistados (cerca de 11% em 2015).

Os resultados de Portugal ficam abaixo da média dos países participantes no exercício de comparação internacional no indicador de conhecimentos financeiros. A posição do país em termos de conhecimentos financeiros está associada a questões de numeracia financeira, uma vez que menos de metade dos entrevistados (42,5%) calcula corretamente juros simples, proporção que desce para 31% nos juros compostos. Ainda assim, a generalidade dos inquiridos (87,4%) responde corre­tamente ao valor de juros a pagar num empréstimo de 25 euros por um dia e mais de metade (55,5%) reconhece a perda de poder de compra decorrente da inflação.

No caso da relação entre retorno e risco de investimento, 71,6% dos entrevistados referem, acertadamente, ser verdadeira a afirmação “um investimento com um elevado retorno tem geralmente associado um elevado risco”. Menos de metade dos entrevistados (45,1%) reconhece a relação entre risco de investimento e diversificação da carteira, ao concordarem com a afirmação “geralmente é possível reduzir o risco de investimento no mercado de capitais se comprarmos um conjunto diversificado de ações”.

Os grupos da população que apresentam os melhores resultados de literacia financeira têm idades entre 25 e 54 anos, ensino secundário ou ensino superior, são trabalhadores e vivem em agregados familiares com rendimento líquido mensal superior a 1000 euros. Em contrapartida, os grupos da população com menores níveis de literacia financeira são os mais seniores e os que têm menores níveis de escolaridade e de rendimento.

As entrevistas do 3.º Inquérito à Literacia Financeira da População Portuguesa foram realizadas porta-a-porta, em todo o território nacional. A amostra incluiu 1502 entrevistados, com 16 ou mais anos, e foi estratificada de acordo com critérios de género, idade, localização geográfica, situação laboral e nível de escolaridade.

Links relacionados